breve história de ITOCULO
(PARTE II)
por Bento Veligi


4.       A cadeia subterrânea:
A cadeia subterrânea de Itoculo fica situada a 500 metros da Sede do Posto Administrativo Itoculo, na via de Netia, perto do rio Sanhote, rio que antes da dominação portuguesa chamava-se Nakuka. A cadeia servia para prender e torturar os guardas e habitantes do regulado do Mwene Maru-haa, e mais tarde para todos aqueles que não aceitassem a dominação portuguesa. Esta cadeia funcionou antes e depois do Régulo Maru-haa, mesmo depois de ser apanhado.

Nesta cadeia havia várias formas de torturar as pessoas. Os mais antigos contam que ser morto fumegado, não era o único castigo que davam aos presos. Mas havia ainda outros castigos, tais como o enforcamento; espancamento, etc… Um velho residente no regulado de minhalaca-chihiri afirma que ainda se lembra de ter sido morto naquela cadeia o seu irmão de nome Rucuncha, o qual pretendia ir ao Mossuril em busca de sal.

No tempo dos portugueses, a 100 metros antes de chegar à cadeia subterrânea já estavam os soldados acampados, europeus e africanos vindos do sul de Moçambique. O povo do Maru-haa, chamou a esses soldados como alandi (ou lantins em portugês), um nome atribuído a todo aquele que fosse oriundo do sul.

5.       O rio-Mocha (Murathi wa Mocha):
A história deste nome rio-Mocha, está ligada ao facto de ser um lugar onde foi assado ou queimado quem quer que fosse apanhado a prostituir. Esta prática já existia no reinado do Régulo Maru-haa. Este rio situa-se depois do rio Sonhote, mas antes do Bairro de Namiro, na via de Netia.

6.       A subida de Nimalathu (onima-atthu)
Esta subida fica na via de Monapo a 3km da sede do Posto de Itoculo. Segundo contam os mais velhos, na abertura da estrada nacional que ligava a Ilha de Moçambique a Nampula, com um cruzamento para Nacala-a-Velha em Itoculo, as pessoas eram muito oprimidas, de tal maneira que qualquer uma que se achasse incapaz de trabalhar, logo era morta e substituída por uma outra. Assim, o povo chamou aquele sítio Nimala-athu (aqui acabam pessoas).

7.       O nome de Itoculo (Ethukulo)
Ethukulu é uma planta que dá um flor semelhante a uma pinha ou ananás, que geralmente nasce nas zonas pantanosas da savana. Ela serve de alimento às toupeiras, contendo uma seiva escorregadia. Esta planta era muito abundante na zona onde vivia o Mwene Maru-haa. Assi, quando os portugueses chegaram a esse local e procuraram saber o nome do lugar onde vivia o Régulo Maru-haa, as pessoas macuas que não entendiam a pergunta em português, disseram: «é ali onde tem Ethukulu». Então, os portugueses entenderam que o nome da terra do Régulo Maru-haa era Ethukulu (Itoculo).

8.       As origens do nome Nakhuka e instalação dos portugueses em Nakhuka:
Ao longo do rio Sanhote existiam muitas cobras grandes, que em macua se chamam ikhuka (jiboias). Depois da derrota do Mwene Maru-haa, ficou ainda o Mwene Mukuthumunu de Namarral (Mossuril) que também acabou morrendo traído pelos próprios nativos numa das batalhas de Namarral, zona de Mossuril. Tudo isto aconteceu quando o quartel militar português mudou de Muruthu, regulado de Thamela, para Nakhuka-rio, precisamente onde tinha sido feita a cadeia subterrânea destinada aos continuadores da resistência de Maru-haa e de Mukuthumunu. Esta mudança dos portugueses para a zona de Nakhuka facilitou a derrota do Mwene Mukuthumunu.

9.       A alimentação da época:
Nesta zona de Itoculo os alimentos consumidos eram aqueles que se produziam nas machambas: mapira, mexoeira, arroz, marrupi, sal. Também havia alimentos que se conseguiam através da caça de animais. Havia ainda produção e consumo de mel selvagem, a apanha de tubérculos de plantas tais como a trepadeira, murapa, muzage, namathekuma e raízes de embondeiro (mulapa). Nos anos de mais carência alimentar podia-se comer até as raízes de bananeira, de namilepe. Só mais tarde é que apareceu a mandioca, o milho e o amendoim.

Comentários

Mensagens populares